Author - Rafael

DGCEA apresenta o SAGITARIO em jornal da Globo News

Na manhã desta segunda-feira, dia 31 de agosto, o diretor-geral do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos Vuyk de Aquino, concedeu uma entrevista para a Globo News na qual apresentou o sistema SAGITARIO (Sistema Avançado de Gerenciamento de Informações de Tráfego Aéreo e Relatório de Interesse Operacional). LPZ_0333 A entrevista ocorreu no Controle de Aproximação (APP) do Destacamento de Controle do Espaço Aéreo do Galeão (DTCEA GL), onde o diretor-geral da organização e a equipe de filmagem da emissora foram recebidos pelo comandante da unidade, Tenente-Coronel Aviador Dan Marshall Freitas. Estava presente, ainda, a assessora de imprensa da Atech Negócios em Tecnologia S/A, Valéria Rossi, responsável pela divulgação das atividades desta empresa do Grupo Embraer, que ficou a cargo do desenvolvimento do SAGITARIO em parceria com a Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo (CISCEA). Na oportunidade, o Tenente-Brigadeiro Aquino explicou à jornalista Gabriela Ferreira como se dá o controle de tráfego aéreo no Brasil e qual é a importância do SAGITARIO no que diz respeito à qualidade tecnológica e à garantia da segurança das operações de controle e gerenciamento do fluxo de tráfego aéreo. Após a gravação no APP-RJ, a equipe de reportagem foi recebida pelo chefe do Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA), Coronel Aviador Luiz Roberto Barbosa Medeiros, que falou sobre o SIGMA (Sistema Integrado de Gestão de Movimentos Aéreos) e apresentou as atividades realizadas na organização, enfocando o gerenciamento da navegação aérea com a prática da decisão colaborativa, na qual participam autoridades do DECEA e das empresas aéreas que prestam serviço no Salão Operacional.   Assessoria de Comunicação Social /DECEA (FSDTP) Telma Penteado – jornalista (telmatbp@decea.gov.br) Fotos: Luiz Perez
Read more...

DECEA apresenta o SAGITARIO em jornal da Globo News

Na manhã desta segunda-feira, dia 31 de agosto, o diretor-geral do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos Vuyk de Aquino, concedeu uma entrevista para a Globo News na qual apresentou o sistema SAGITARIO (Sistema Avançado de Gerenciamento de Informações de Tráfego Aéreo e Relatório de Interesse Operacional). A entrevista ocorreu […]
Read more...

DECEA conclui infraestrutura para operar ADS-B na Bacia de Campos

Na manhã do dia 18 de agosto, a Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo (CISCEA), órgão subordinado ao DECEA, inaugurou o Sistema de Vigilância Dependente Automática por Radiodifusão (ADS-B, do inglês Automatic Dependent Surveillance – Broadcast) no Controle de Aproximação de Macaé, RJ. Trata-se de um sistema pioneiro que representa o cumprimento de mais uma etapa do Programa Sirius.

IMG_7465 c

Quando entrar em operação, o ADS-B viabilizará às aeronaves a transmissão de informações como: posição, altitude, velocidade, identificação, radial, destino, origem, razão de subida ou descida, dentre outros, através do VHF data link. Esses dados são difundidos automaticamente, até duas vezes por segundo, para os centros de controle. O sistema permite um maior número de amostras e mais parâmetros sobre as aeronaves do que era convencionalmente possível fazer com o radar secundário. A ferramenta é também menos custosa e é especialmente eficaz em áreas ou terrenos montanhosos onde a cobertura de radar é limitada ou inexistente. Assim, ela amplia as coberturas para níveis mais baixos de voo, onde, anteriormente, o radar não alcançava.

ADS-B na Bacia de Campos

A Bacia Petrolífera de Campos é a região marítima onde estão localizadas as plataformas de petróleo e gás, local com grande movimentação de helicópteros. Porém, como os helicópteros voam em baixa altitude na região, o controle do tráfego aéreo na maior parte da área oceânica é baseado em procedimentos não-radar, o que reduz significativamente a capacidade de controle do espaço aéreo e a eficiência das operações aéreas, sobretudo para operações sob regras de voo por instrumento (IFR).

De acordo com o gerente de Transporte Aéreo Off-Shore da Petrobrás, Clayton Monteiro Mendes, a implantação do Sistema ADS-B na Bacia de Campos é um grande avanço para a segurança aérea do país. “Operacionalmente para a Petrobrás, que atualmente conta com aproximadamente 120 voos por dia só na Bacia de Campos, é um ganho enorme, tanto para a qualidade quanto para a segurança da operação”, afirmou o gerente.

O emprego do Sistema ADS-B na Bacia de Campos possibilitará o acompanhamento do voo de aeronaves em baixa altitude na região oceânica e disponibilizará melhores trajetórias e perfis de voo de interesse das empresas petrolíferas, proporcionando melhores condições de segurança e de gerenciamento do tráfego aéreo na região.

“A tecnologia ADS-B vai complementar o sistema de vigilância por radares já existente, proporcionando a cobertura e identificação das aeronaves em uma distância e altitude que os sistemas convencionais de radares não conseguem fazer. Permite que o sistema transmita mais informações entre a aeronave e órgão de controle, com uma frequência de atualização de dados muito maior. O controlador de voo, em muitas ocasiões, nem vai precisar falar”, esclareceu o Major-Brigadeiro do Ar Carlos Minelli de Sá, Presidente da CISCEA.

O Sistema ADS-B emprega estações distribuídas no continente e nas plataformas de petróleo e gás, em quantidade suficiente para a cobertura necessária ao serviço de tráfego aéreo.

Para o superintendente de Gestão da Navegação Aérea da Infraero, Marcus Vinícius do Amaral Gurgel, a implantação do sistema foi um grande desafio e oportunidade. “A necessidade de implementar a nova tecnologia e a coordenação da regulamentação com diversas empresas trabalhando em conjunto foi um grande desafio para nós e também uma grande oportunidade de trabalhar com a Petrobrás, ANAC (Agência Nacional de aviação Civil), DECEA (Departamento de Controle do Espaço Aéreo), CISCEA e Infraero e de desenvolver uma solução que não é importante só para o controle do tráfego aéreo, mas também para a segurança do país”, destacou.

 

Assessoria de Comunicação Social do DECEA
Foto: Fábio Maciel
(Fonte CISCEA)

Read more...

Brasil rumo ao Uso Flexível do Espaço Aéreo

Grande parte da população, que é usuária do transporte aéreo, desconhece o grande aparato por trás de um simples deslocamento aéreo em território nacional. Uma viagem, por exemplo, do Rio de Janeiro a São Paulo, que dura em média 40 minutos, mobiliza uma vasta estrutura, que abrange rede de comunicação, dados e controle. Esta infraestrutura, chamada de Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (SISCEAB), é um conjunto de órgãos e instalações – auxílios à navegação aérea, radares de vigilância, centros de controle e torres de controle de aeródromo, estações de telecomunicações e recursos humanos –, que funciona ininterruptamente, 24 horas por dia, 365 dias por ano. O Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) é o órgão responsável pelo gerenciamento de fluxo e controle de tráfego aéreo no Brasil. Para se ter uma noção do que acontece pelos céus do Brasil, em 2014, foram contabilizados mais de um milhão de movimentos aéreos, entre pousos e decolagens, somente nos cinco maiores aeroportos do País. Ao colocar uma lupa sobre a área de movimento mais intenso, o Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, tem-se o registro de 851 movimentos/ dia, no ano passado. O brasileiro está viajando mais de avião. Segundo dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), na última década, de cada 100 brasileiros, 55 voaram pelo menos uma vez. O crescimento do transporte aéreo doméstico no Brasil representou mais de 3,5 vezes o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB). Especialistas do setor estimam que até 2030, serão 310 milhões de passageiros por ano. A tendência natural é otimizar o controle de fluxo em atendimento a demanda. Desde 2011, o DECEA vem adotando medidas vislumbrando o crescimento de tráfego aéreo previsto para os próximos anos. O Programa SIRIUS foi concebido com esta finalidade. São 22 empreendimentos nas áreas de segurança operacional, gerenciamento de tráfego aéreo; comunicação, navegação e vigilância; meteorologia aeronáutica; gerenciamento de informações aeronáuticas; busca e salvamento; recursos humanos e desempenho.   Otimização do fluxo aéreo No caso específico do tráfego aéreo, já existem ações com o objetivo de contribuir para que o fluxo seja eficiente, seguro e que seja utilizado em toda sua extensão.  Um dos procedimentos que serão adotados para maximizar o uso das capacidades de aproveitamento do uso do espaço aéreo chama-se Uso Flexível do Espaço Aéreo, do inglês Flexible Use of Airspace (FUA). FUA é um conceito de gerenciamento do espaço aéreo baseado no princípio de que o espaço não deve ser exclusivamente de uso civil ou militar, mas deve ser percebido como uma área que atenda os requisitos de todos os usuários, sempre que possível. A função do FUA é estabelecer acordos operacionais e procedimentos específicos a fim de obter a aproveitamento de todo o espaço aéreo, com vistas a aumentar sua capacidade e melhorar a eficiência na operação de aeronaves. As rotas de tráfego são estabelecidas a partir das aerovias, caminhos virtuais que ordenam a circulação em rota ou em áreas terminais. Estas aerovias estão divididas em inferiores e superiores, possuem níveis específicos de voo e podem ter via única ou via dupla. Estas aerovias estão presentes nas cartas de navegação e servem para orientar os pilotos. O DECEA gerencia o tráfego aéreo em uma área de 8.511.965 km², além do espaço aéreo sobrejacente a área oceânica, perfazendo um total de 22 milhões de Km². Nesta área de dimensões continentais são realizados todo tipo de voos: regulares de companhias aéreas, militares, ensaios de voo, lançamentos de sondas e foguetes, voos de asa delta, salto de paraquedas, voos de helicóptero, treinamento de tiros antiaéreos, entre tantos outros. Espaços Aéreos Condicionados As aeronaves em sobrevoo no Brasil possuem algumas restrições de acesso a determinadas áreas. São porções do espaço aéreo chamadas de Espaços Aéreos Condicionados, que restringem a passagem de aeronaves em alguns locais. Estas áreas estão basicamente divididas em três categorias: Espaço Aéreo Restrito, Espaço Aéreo Proibido e Espaço Aéreo Perigoso. O que acontece na prática é que os aviões em rota por vezes acabam fazendo voos mais longos, com mais consumo de combustível e emissão de CO2. Estas restrições impedem a realização de rotas diretas. A proposta do Uso Flexível do Espaço Aéreo é a otimização do uso do espaço aéreo, com a interação entre tráfego aéreo civil e militar e a coordenação, em tempo real, entre controladores da Circulação Aérea Geral (CAG) e da Circulação Operacional Militar (COM).
Com o FUA, acordos operacionais e procedimentos específicos serão viabilizados e darão margem a um aproveitamento mais abrangente do espaço aéreo disponível.Com o FUA, acordos operacionais e procedimentos específicos serão viabilizados e darão margem a um aproveitamento mais abrangente do espaço aéreo disponível.
  Caso seja necessário reservar uma porção do espaço aéreo para utilização específica, com bloqueio desta área, será preciso um acordo para que esta restrição seja temporária. Assim, o espaço aéreo será liberado imediatamente após o término das operações que causaram as restrições. O Subdepartamento de Operações do DECEA será o responsável pelo estabelecimento de acordos operacionais que possibilitem a utilização flexível de todo o espaço aéreo, a fim de aumentar a sua capacidade e melhorar a eficiência na operação de aeronaves.   Pelo mundo A proposta de Uso Flexível do Espaço Aéreo foi preconizada pela Organização da Aviação Civil Internacional (OACI). Em abril de 2012, a organização publicou um texto orientando sobre a implantação do FUA na Região CARSAM (Caribe – América Latina) para apresentar procedimentos aplicáveis a cada região de forma harmonizada. O texto, listado no Plano Global de Navegação Aérea (Doc. 9750), dá as diretrizes para a utilização ótima, equilibrada e equitativa do espaço aéreo, por civis e militares. A recomendação é de que o processo seja facilitado através de coordenação estratégica, que permitirá rotas de voo ideais, com redução de custos operacionais e, ao mesmo tempo, proteção do meio ambiente. A iniciativa já foi adotada na Europa. O projeto Céu Único Europeu foi criado para remover as fronteiras aéreas nacionais e tornar o espaço aéreo mais eficiente, seguro e menos prejudicial para a atmosfera. Lançada no final dos anos 90, o principal objetivo é o de melhorar o desempenho da gestão do tráfego aéreo e dos serviços de navegação aérea, através de uma melhor integração do espaço aéreo europeu. Até ser concluído, o projeto Céu Único Europeu espera-se triplicar a capacidade do espaço aéreo, reduzir para metade os custos associados à gestão do tráfego aéreo, reforçar a segurança e reduzir o impacto da aviação no meio ambiente em 10%. Nos Estados Unidos, o processo é conhecido como Espaço Aéreo de Uso Especial (Special Use Airspace – SUA) e consiste na utilização do espaço aéreo de acordo com a natureza de voo, onde são impostas limitações de acesso às aeronaves que não fazem parte daquela atividade previamente determinada.   Assessoria de Comunicação Social do DECEA Gisele Bastos  –  Jornalista Ilustrações: Aline Prete
Read more...

ICEA capacita novos profissionais para a elaboração de procedimentos de aproximação Baro-VNAV

Dentro da concepção de Navegação Baseada em Performance (PBN), os procedimentos de aproximação com guia vertical (APV), denominados Baro-VNAV, contribuem consubstancialmente para aumentar a acessibilidade aos aeródromos e garantir uma descida estabilizada, reduzindo o risco de colisão contra o solo (CFIT).

ICEA 2

O procedimento Baro-VNAV faz uso do sistema RNAV/RNP, com sensor GNSS para provimento de guia lateral na aproximação final e, por meio de informação baroaltimétrica, também provê guia vertical às aeronaves certificadas ao uso do procedimento. O guia vertical possibilita a redução dos mínimos operacionais (altura das nuvens e visibilidade), permitindo que as aeronaves aproximem-se para pouso, mesmo em condições meteorológicas mais adversas.

Assim, no dia 30 de abril, com o encerramento do curso ATM-034, o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), por meio do Instituto de Controle do Espaço Aéreo (ICEA), capacitou dez novos profissionais para a elaboração de procedimentos de aproximação Baro-VNAV, cumprindo assim com os objetivos descritos no Plano Mundial de Navegação Aérea e Segurança Operacional, no qual o Brasil e demais Estados Sulamericanos assinaram a Declaração de Bogotá em dezembro de 2013, firmando compromisso de cumprir a meta estabelecida na Resolução A37-11 da Assembleia da Organização da Aviação Civil Internacional (OACI), em relação a implantação de procedimentos APV nos aeródromos da Região SAM.

Sob a coordenação do ICEA, representado pelo Major J. Carlos, o curso teve como Instrutores os seguintes Oficiais Especialistas em Controle de Tráfego Aéreo: Capitão Edilson (Terceiro Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo – CINDACTA II), Ten Rui Nunes (CINDACTA IV) e Tenente Chiarelli (Instituto de Cartografia Aeronáutica – ICA).

Os instrutores capacitaram, durante três semanas, os seguintes oficiais especialistas em Controle de Tráfego Aéreo: Capitão Baroni (CINDACTA III), Tenente Marques (DECEA), Tenente Everton (CINDACTA IV), Tenente Natália (ICA), Tenente Aluízio (CINDACTA II), Tenente Ueiler (ICA), Tenente Hernandes (Serviço Regional de Proteção ao Voo de São Paulo – SRPV-SP), Tenente João Paulo (ICA) e Tenente Fartura (ICA).

 

Assessoria de Comunicação Social
Telma Penteado –  (telmatbp@decea.gov.br)
Fonte: ICEA

Read more...

GT Sirius realiza última Reunião de Coordenação de 2014

Com o objetivo de atualizar o Grupo de Trabalho do Programa Sirius (GT Sirius) quanto ao andamento do Plano de Implementação ATM (Controle de Tráfego Aéreo) Nacional, foi realizada, na manhã do dia 02 de dezembro, a última Reunião de Coordenação do ano de 2014.

Desde 2012, através da Portaria nº 152/DGCEA, o GT vem gerenciando o Plano (PCA 351-3).

Mais uma vez a reunião se deu na sala do Chefe do Subdepartamento de Operações do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (SDOP/DECEA), Brigadeiro do Ar Gustavo Adolfo Camargo de Oliveira, que é também o atual Coordenador do Grupo de Trabalho.

Na ocasião estiveram presentes todos os membros do GT Sirius – composto por membros da Vice-Direção, dos Subdepartamentos de Operações (SDOP), Técnico (SDTE) e de Administração (SDAD), da Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo (CISCEA) e da Assessoria de Planejamento, Orçamento e Gestão (APLOG) – bem como Gerentes de Empreendimentos do Plano de Implementação ATM Nacional (PIMP) e militares e civis consultores do DECEA envolvidos nos projetos.

Ao longo da reunião, representantes de cada área expuseram como está andamento dos empreendimentos de performance (também chamados pela sigla PFF), em destaque aos de números 02, 03, 05, 06, 07, 08, 09, 10, 11, 12, 13, 14, 15, 17, 20, 21 e 22.

Dentre os temas, foram analisados o serviço do futuro Centro de Gerenciamento Técnico (CGTEC) do Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (SISCEAB), cujo núcleo será implantado dentro do Parque de Material de Eletrônica de Aeronáutica do Rio de Janeiro (PAME-RJ); implementação operacional PBN, capacitação e treinamento em sistemas de navegação aérea; certificação de equipamentos aeroembarcados; navegação aérea nas bacias petrolíferas; Segurança Operacional; Uso Flexível do Espaço Aéreo (FUA); Nexo; e o desenvolvimento de um Portal Operacional do Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA) na internet, num trabalho conjunto com a Assessoria de Comunicação Social (ASCOM) do DECEA, cujo projeto constará de três fases: a primeira com o lançamento do Portal na Intraer, a segunda com o lançamento na internet para usuários nacionais e a terceira, para usuários internacionais do corredor SAM (região do Caribe e América do Sul).

Por fim, o consultor da APLOG e representante do Vice-Diretor do DECEA, Major-Brigadeiro do Ar Maurício Ribeiro Gonçalves, Luis Claudio Ribeiro da Silva, acertou com o Brigadeiro Gustavo que as próximas reuniões – Reunião Semestral com o VICEA e a primeira Reunião de Coordenação de 2015 – serão realizadas, respectivamente, nos meses de janeiro (segunda quinzena) e fevereiro (final do mês), em datas a serem definidas e posteriormente divulgadas.

Ao final da reunião, o Brigadeiro Gustavo agradeceu a presença de todos, enfatizando a importância do trabalho de cada um numa visão muito particular “de quem já esteve nesta função”, como ele próprio comentou.

“Agradeço o empenho dos senhores e desejo a todos um bom fim de ano. Que todos possam recarregar as energias para começarmos com tudo o próximo ano”.

 

Assessoria de Comunicação Social /DECEA (FSDTP)
Texto: Telma Penteado – jornalista (
Contato-Imprensa)
Fotos: Luiz Perez

Read more...

Operação SAR Offshore é destaque em evento no CINDACTA II

Só em 2013, mais de um milhão e trezentos mil passageiros usaram o transporte aéreo para acessar as inúmeras plataformas marítimas de exploração de petróleo e gás nas cercanias do litoral brasileiro. Localizadas em média a cerca de 300 km da costa, essas plataformas deverão aumentar em quantidade nos próximos anos com a evolução da exploração da “camada Pré-Sal” que abrange uma área de 144 Km2.

O crescente movimento aéreo na região, porém, acompanha as necessidades de manutenção da eficácia das operações aéreas e, sobretudo, da segurança dos passageiros. Neste contexto, o serviço de Busca e Salvamento, gerenciado pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), é uma atividade cujo apoio, aprimoramento e empenho nessas regiões são de vital importância para o País.

Oportunamente, o Segundo Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA II), por meio de sua Subdivisão de Busca e Salvamento, promoveu nos dias 5 e 6 de novembro, um evento especialmente dedicado ao assunto: o Primeiro Simpósio de Busca e Salvamento – Incidentes Offshore.
Na ocasião, foram debatidos os principais desafios concernentes às operações SAR (acrônimo inglês para Busca e Salvamento) na faixa offshore brasileira onde estão situadas as bacias petrolíferas e duas infraestruturas de exploração. Para o coordenador do evento, chefe da Subdivisão de Busca e Salvamento do CINDACTA II, Capitão Aviador Bruno Olimpio de Morais Strafacci, esse é o momento ideal para a realização de um evento desse porte voltado ao assunto: “Planejamos um evento para trazer a comunidade internacional que já presta este tipo de serviço de uma forma muito eficiente. Nós, obviamente, já prestamos este serviço há muito tempo, mas com o Pré-Sal, sabemos que a logística para a exploração do petróleo irá crescer bastante e nós, como nação, o que inclui nossa infraestrutura, indústria e, do mesmo modo, a Busca e Salvamento, precisamos crescer junto, buscando sempre a excelência nesse serviço pelo próprio respeito à salvaguarda da vida humana”, afirmou o oficial.

O evento reuniu profissionais envolvidos com a Busca e Salvamento de todo Brasil e do mundo e dispôs de palestrantes da Força Aérea Brasileira, Petrobrás, United States Coast Guard, da fabricante de helicópteros anglo-italiana Augusta Westland e das organizações canadenses Justice Institute of British Columbia, Joint Rescue Coordination Centre – Halifax e CHC Helicopter’s.

Dentre os assuntos abordados, foram debatidas questões relativas às logísticas da exploração do petróleo em águas profundas, às operações de resgate em massa, às operações de busca e salvamento offshore, aos incidentes sobre o mar, ao futuro da atividade SAR, dentre outros.

Ao longo do evento, os participantes também participaram de atividades paralelas às palestras. Bússolas, luzes químicas, mantas térmicas, desmineralizadores de água, pacotes de ração de sobrevivência e outros objetos foram expostos junto a kits de sobrevivência e outros equipamentos utilizados pelos profissionais da atividade de Busca e Salvamento. Na exposição, instalada numa tenda anexa ao auditório, seus usos e funcionamento eram explicados pelos militares à medida que os convidados aguardavam o reinício dos debates nos intervalos para o Coffee Break. Em uma visita guiada à aeronave C-105, adaptada às necessidades SAR, conheceram os procedimentos para busca de sobreviventes, sobre o mar e terra, durante voos com esse objetivo. No Centro de Controle de Área de Curitiba (ACC-CW) observaram o trabalho dos controladores de tráfego aéreo em tempo real e dos demais profissionais envolvidos nas atividades do ACC, como Meteorologia Aeronáutica e Serviço Informações Aeronáuticas, por exemplo.

Para o comandante do CINDACTA II, Coronel Aviador José Vagner Vital, o empenho para a realização deste simpósio poderá gerar muitos frutos, dentre eles, a realização regular desses encontros. “É um momento importante para troca de ideias, essencial para o espírito de decisão colaborativa. Nós nos sentimos honrados por termos sidos escolhidos pelo DECEA para sediar este evento e gratos pelo apoio do Subdepartamento de Operações do órgão central, que é o setor responsável pela gestão da atividade no País (…) no que depender de nós, pretendemos realizar o evento novamente, se for possível, no ano que vem ou mesmo anualmente”, declarou o comandante.

Assessoria de Comunicação Social do DECEA
Daniel Marinho – (Contato-Imprensa)
Fotos: Fábio Maciel

Read more...

CISCEA e CPqD inauguram laboratório de Telecomunicações para o Controle do Espaço Aéreo

Inovação tecnológica na área de Telecomunicações voltada para pesquisas, testes e qualificações de equipamentos é a razão da parceria entre a Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo (CISCEA) e o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD), com pleno apoio do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA).
E após uma série de estudos e trabalhos, esta troca de conhecimento e know-how deu seu primeiro fruto. Na manhã dia 21 de outubro, foi inaugurado o Laboratório de Qualificação de Sistemas para o Controle do Espaço Aéreo – o LQCEA.
Com sede em Campinas (SP), o Laboratório fica dentro das dependências do CPqD, que é reconhecido como um dos maiores centros de pesquisa e desenvolvimento em Telecomunicações e Tecnologia da Informação (TI) da América Latina.
No LQCEA estão presentes, em ambiente simulado, as posições do piloto, dos controladores de tráfego aéreo do Centro de Controle de Área de Recife (ACC-RE), do Centro de Controle de Aproximação de Salvador (APP-SV) e da Torre de Controle de um aeroporto, bem como uma console da Sala Técnica, que controla os servidores destas estações de Controle de Tráfego Aéreo e que, por sua vez, estão dispostas na sala conjunta à dos simuladores.
Os presentes ao evento de inauguração puderam acompanhar algumas situações de comunicação entre os controladores e o piloto durante a simulação de um voo na área de Salvador via radio, telefonia e radar.
Tais experimentos visam que novos equipamentos, tecnologias e sistemas de telecomunicações sejam testados e validados antes de serem inseridos no Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (SISCEAVB).
Segundo o Presidente do CPqD, Hélio Graciosa, o LQCEA é uma iniciativa inédita no Brasil, sendo uma referência nacional e internacional para simulações na área de Telecomunicações. “A implantação dessa infraestrutura avançada é um passo importante dentro do projeto de evolução do Sistema de Comunicações do Controle do Espaço Aéreo do País”, comenta o Presidente.
Ao tomar a palavra, o Presidente da Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo (CISCEA), Major-Brigadeiro do Ar Carlos Vuyk de Aquino, a grande motivação é propiciar ao País o acesso ao conhecimento e ao domínio das tecnologias de telecomunicações. Segundo o Brigadeiro Aquino, “o benefício não será apenas do Projeto da Rede ATN, mas também de outros projetos de missão crítica de interesse do Ministério da Defesa”.
Segurança, fidelidade das informações e confiança na tecnologia de comunicação são de tal relevância que organizações de padronização internacional em consonância com a EUROCAE (European Organization for Civil Aviation Equipment – Organização Europeia para o Equipamento da Aviação Civil, em livre tradução) decidiram acompanhar a evolução das Redes IP (Internet Protocol) e estão migrando os serviços de telecomunicações de redes determinísticas (baseadas em circuitos dedicados) para o universo IP.
O LQCEA não somente acompanhará esta migração no que diz respeito à nossa realidade nacional, como validará cada etapa desta transição. Ressalta-se que além das Redes IP, o laboratório opera as telecomunicações em redes determinísticas e por satélite.
Estiveram presentes ao evento o Presidente do CPqD, Hélio Graciosa; o Diretor do CPqD, Paulo Cabestré; o Secretário de Desenvolvimento Econômico Social e Turismo, Samuel Rossilho – representando o Prefeito de Campinas, Jonas Donizette; o Presidente da CISCEA, Major-Brigadeiro do Ar Carlos Vuyk de Aquino; o General de Brigada Bráulio de Paula Machado, representando o Exército; e o Capitão de Mar e Guerra Ricardo Santana Soares, representando a Marinha do Brasil.
Em coletiva de imprensa realizada antes da visita ao LQCEA, os representantes da Marinha e do Exército ressaltaram que estes estudos e simulações em muito beneficiam as atividades desenvolvidas por estas instituições

Inovação tecnológica na área de Telecomunicações voltada para pesquisas, testes e qualificações de equipamentos é a razão da parceria entre a Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo (CISCEA) e o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD), com pleno apoio do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA).

E após uma série de estudos e trabalhos, esta troca de conhecimento e know-how deu seu primeiro fruto. Na manhã dia 21 de outubro, foi inaugurado o Laboratório de Qualificação de Sistemas para o Controle do Espaço Aéreo – o LQCEA.

Com sede em Campinas (SP), o Laboratório fica dentro das dependências do CPqD, que é reconhecido como um dos maiores centros de pesquisa e desenvolvimento em Telecomunicações e Tecnologia da Informação (TI) da América Latina.

No LQCEA estão presentes, em ambiente simulado, as posições do piloto, dos controladores de tráfego aéreo do Centro de Controle de Área de Recife (ACC-RE), do Centro de Controle de Aproximação de Salvador (APP-SV) e da Torre de Controle de um aeroporto, bem como uma console da Sala Técnica, que controla os servidores destas estações de Controle de Tráfego Aéreo e que, por sua vez, estão dispostas na sala conjunta à dos simuladores.

Os presentes ao evento de inauguração puderam acompanhar algumas situações de comunicação entre os controladores e o piloto durante a simulação de um voo na área de Salvador via radio, telefonia e radar.

Tais experimentos visam que novos equipamentos, tecnologias e sistemas de telecomunicações sejam testados e validados antes de serem inseridos no Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (SISCEAVB).

Segundo o Presidente do CPqD, Hélio Graciosa, o LQCEA é uma iniciativa inédita no Brasil, sendo uma referência nacional e internacional para simulações na área de Telecomunicações. “A implantação dessa infraestrutura avançada é um passo importante dentro do projeto de evolução do Sistema de Comunicações do Controle do Espaço Aéreo do País”, comenta o Presidente.

Ao tomar a palavra, o Presidente da Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo (CISCEA), Major-Brigadeiro do Ar Carlos Vuyk de Aquino, a grande motivação é propiciar ao País o acesso ao conhecimento e ao domínio das tecnologias de telecomunicações. Segundo o Brigadeiro Aquino, “o benefício não será apenas do Projeto da Rede ATN, mas também de outros projetos de missão crítica de interesse do Ministério da Defesa”.

Segurança, fidelidade das informações e confiança na tecnologia de comunicação são de tal relevância que organizações de padronização internacional em consonância com a EUROCAE (European Organization for Civil Aviation Equipment – Organização Europeia para o Equipamento da Aviação Civil, em livre tradução) decidiram acompanhar a evolução das Redes IP (Internet Protocol) e estão migrando os serviços de telecomunicações de redes determinísticas (baseadas em circuitos dedicados) para o universo IP.

O LQCEA não somente acompanhará esta migração no que diz respeito à nossa realidade nacional, como validará cada etapa desta transição. Ressalta-se que além das Redes IP, o laboratório opera as telecomunicações em redes determinísticas e por satélite.

Estiveram presentes ao evento o Presidente do CPqD, Hélio Graciosa; o Diretor do CPqD, Paulo Cabestré; o Secretário de Desenvolvimento Econômico Social e Turismo, Samuel Rossilho – representando o Prefeito de Campinas, Jonas Donizette; o Presidente da CISCEA, Major-Brigadeiro do Ar Carlos Vuyk de Aquino; o General de Brigada Bráulio de Paula Machado, representando o Exército; e o Capitão de Mar e Guerra Ricardo Santana Soares, representando a Marinha do Brasil.

Em coletiva de imprensa realizada antes da visita ao LQCEA, os representantes da Marinha e do Exército ressaltaram que estes estudos e simulações em muito beneficiam as atividades desenvolvidas por estas instituições.

Assessoria de Comunicação Social /DECEA (FSDTP)
Texto e fotos: Telma Penteado – jornalista (Contato-Imprensa)

Read more...